Arquivo de julho, 2015

“Eu sô dimenó…” -sqn

Publicado: 02/07/2015 em Uncategorized

Foi aprovada a lei que reduz a maioridade penal para crimes hediondos.

Primeira consideração que eu tenho a fazer sobre isso é uma reflexão sobre as coisas que já aconteceram no Rio de Janeiro e que, aparentemente, “deram certo”.

UPP: Com a vinda da JMJ, Copa da FIFA e Olimpiadas para o Rio de Janeiro, não é esperado que o papa, por exemplo, saia com uma munição cravada na cabeça, procede? Por tanto, o até então governador, Sérgio Cabral, teve a incrível ideia das Unidades de Polícia Pacificadora, famosas UPP’s. Bem… Como eu sei que a ideia deste animal foi somente não ficar manchado na mídia exterior, o projeto foi um sucesso… Temporariamente.

Após alguns poucos meses, algumas unidades já foram invadidas e tudo que aconteceu é que a marginalidade foi dispersada, agora, não só o centro do Rio sofre com esse efeito mas a Baixada, a Região dos Lagos e diversos outros locais sofrem também. Só que tem um porém… Ainda falta a Olimpíadas de 2016! E vamos ver o que vem pela frente aí, já que o efeito UPP está vagarosamente passando.

E hoje, foi aprovada uma lei que visa acanhar o menor infrator, tratando-o como responsável pelas suas ilegalidades.

Pode ser que eu esteja errado mas conhecendo o meu querido Brasil como tenho visto, tudo que vai acontecer num primeiro momento é a intimidação desses menores mas logo após um tempo, os menores vão se adaptar a estas medidas, o sistema de segurança que vai desde os policiais até os presídios não vão suportar tal coisa e aqui, estamos quase atingindo uma posição da Grécia, só que não é só a nossa economia que se encontra em rota de colisão, a nossa administração também vai de mal à pior em todos os setores. E ai – BOOM! – mais uma lei que não serve pra porra nenhuma e só tempo perdido (Assim como aquela lei da palmada).

De fato, precismos de uma lei que a curto prazo, nos traga segurança porque está caótico o estado em que vivemos atualmente porém, as coisas estão evoluindo (Ou pelo visto, regredindo). Os adolescentes são muito mais impulsivos e menos cautelosos que os adultos (Na verdade, as pessoas que cometem crimes geralmente nunca são muito boas da cabeça, tadinhas!) então vai ser uma questão de tempo até que tudo se estabeleça e retornemos ao ponto que tentamos evitar com a inserção desta lei.

– “Mas é uma medida racista!”

Teoricamente, não. A lei visa punir todos menores, sem distinção de raça, credo ou o que quer que seja. Pena que a lei não é a mesma para todos – mas essa é uma “visão econômica” (Manda quem tem dinheiro, e não que é branco).


Mas, por outro lado, eu preciso citar que eu também não sou muito fã da tese que os adolescentes vieram do útero da mãe desta forma – Alguns sim, existem distúrbios que expliquem isso mas não é todo mundo. Mas muito mais que isso, adolescentes são inseridos nesse meio de forma quase que direta. A maioria deles vivem em um estado pior do que o vivido por nós, na fome, miséria, que gera a raiva, o ódio, e que finalmente leva aos meios cruéis, daí então, alguns se acostumam – Já que se encontram no período da vida que estão a forma o seu caráter e matar e roubar não é uma das melhores formas de formá-lo.

Então, está correndo pela internet a imagem de uma escola nos cafundés de Judas que aparenta ter sido inserida medidas militares e daí então, tudo mudou. Não é mentira que há um tempo atrás, o militarismo era sinônimo de lealdade, bons modos, disciplina – Se e somente SE permanecer a mesma coisa hoje, a medida militar pode ser um bom desvio do abismo ao qual estamos caindo. Na minha humilde opinião, estamos vivendo simplesmente uma crise dos bons modos, bons costumes, uma completa inversão de valores. E se esses valores pudessem ser resgatados? Mas vivemos numa sociedade de todos, então também não adianta resolver um problema e criar outro – Não adianta resolver a crise moral e criar um problema com os homossexuais, por exemplo, já que o militarismo não é a linha de raciocínio que mais os respeitam.

Por isso não digo que sou contra mas também não sou a favor da redução. É só uma tentativa que, daqui há um tempo, fará todo sentido vocês lerem de mim que ela não faz sentido.

Esta não é mais uma daquelas escritas que procuram atingir o ponto mais sensível do leitor e fazê-lo acreditar que a redução da maioridade penal é ruim, a madrasta feia… “Bruxa!”. É só um reflexão sobre o que vivemos, o que vemos, pelo que passamos.

Em resumo, não que seja uma medida ruim. Ela só é absolutamente INÚTIL!